Terça-feira, 27 de Abril de 2010

Passaram, no dia 21 de Abril, 100 anos sobre a morte de Mark Twain.

É impossível esquecer Tom Sawyer ou os seus amigos. Por isso, e porque cresci com estes heróis de palmo e meio, não podia deixar de prestar uma singela homenagem a um dos grandes escritores americanos que continua ser um clássico na Literatura Infanto-Juvenil.

A partir do momento em que nos tornamos adultos e olhamos para trás, observando a distante infância, desejamos  - quase de imediato - voltar ali de novo e gozar o prazer de ser criança outra vez. É então que gostaríamos de ter uma máquina do tempo que nos pudesse fazer viajar até lá, a essa vida de plena liberdade, quando as responsabilidades não eram tão pesadas... Pois bem, o que encontrei mais próximo deste sentir foi As Aventuras de Tom Sawyer. O livro que fez as delícias de milhões de crianças (que hoje são adultos como eu) em todo o mundo. Quem de nós nunca se identificou com o rebelde petiz que corria descalço ao longo do Mississipi e estava constantemente em sarilhos? Pois para mim, ler Tom Sawyer é encontrar um pouco de tudo: aventura, caça ao tesouro, crime... Ler Tom Sawyer é reencontrar tempos onde as crianças brincavam com sapos e não com PSPs... Cada capítulo destas aventuras é uma "aventura" que ensina lições sobre a importância de amizade e sobre a ideia de liberdade.

Mark Twain soube ler as mentes, as ideias, as emoções e os desejos  da infância e transportou-os para a mancha gráfica do texto... Mas o valor da obra não acaba aqui. Atrás de cada parágrafo encontram-se escondidas subtis mensagens e reflexões referentes a múltiplas facetas da humanidade e destinadas a todas as idades...

O livro está escrito com um estilo fácil de ler, com essa simplicidade que só os grandes mestres conseguem atingir e torna a obra imortal.

Alguém disse que as Aventuras de Tom Sawyer é, antes de tudo, um livro de memórias. Pode ser. Só sei que através dos olhos desse menino irrequieto, o autor nos oferece uma dupla visão da realidade: a do mundo infantil que o leitor já perdeu e a do mundo adulto, confuso e ilógico... Este é um livro para crianças e para adultos que ainda gostam de sonhar e sorrir...

Que difícil é ser um sonhador quando a realidade é o mais oposto à imaginação que pode existir!



publicado por I.M. às 16:36
Em torno de livros e escritos. À volta de histórias e estórias...
Na Prateleira...
Shelfari: Book reviews on your book blog
Estou a ler...

Steven Saylor, Empire

pesquisar neste blog
 
links