Quarta-feira, 07 de Janeiro de 2009

Escuchad. Dejad que os guie en un viaje hacia los confines de la imaginación. Dejad que os cuente una historia...

El Contador de Historias

 

 

Era uma vez uma menina que costumava importunar os adultos com perguntas difíceis. A única maneira de a calar era contar-lhe um conto.  Quando descobri Aladino e todos os outros apaixonei-me para sempre.

Por isso, quando um dia – vindo no seu próprio tapete mágico – este livro me caiu no colo, voltei a sentir-me aquela menina que só se calava quando lhe contavam um conto. Segui deuses e génios, príncipes e escravas e nem dei conta das 660 páginas que compõem este grandioso romance. E a história da família de Alameddine tornou-se tão fascinante como a história de Fátima, a escrava do sultão...

Há muito, muito tempo, no Líbano, antes de haver televisão, havia contadores de histórias. Tinham o musical nome de hakawati e ofereciam os seus contos em troca de uma moedas.

O escritor libanês Rabih Alameddine empenhou-se em manter viva a memória desses malabaristas das palavras e, no seu mais recente livro El Contador de Historias (The Hakawati, no original), tece um verdadeiro tapete voador, onde se cruzam o tempo e a geografia: lendas de Homero e Ovídio, histórias da Bíblia e do Corão, contos das Mil e Uma Noites e do Panchatranta vão serpenteando pela história da família do autor contada num quarto de hospital. Guerras, amores e dasamores, tristezas e alegrias desfilam por entre diabinhos coloridos, príncipes e sultões, palácios e exóticos lugares.

Sem querer Alameddine torna-se, ele próprio (como o seu avô), num hakawati que nos deleita com 1001 histórias, numa só história contada sob o céu de Beirute. Este contador de histórias passeia, volta atrás e move-se no tempo, consistindo o seu talento em fazer com que cada uma das histórias seja tão pícara e  ao mesmo tempo tão real e contemporânea como a seguinte...Porque há histórias dentro de histórias dentro de histórias...

E nós, ávidos leitores, sentimos cada vez mais vontade de lhe pedir: “Conta -me um conto e enfeitiça-me...”

Preparem-se, por isso, para voar num fantástico tapete mágico em Mil e Uma Noites do Século XXI. Escutem...



publicado por I.M. às 22:56
fiquei fascinada com esta sua descriçao do CONTADOR DE HISTORIAS.
ja fui a diversas livrarias e nenhuma delas sabe do que falo. o livro que leu estava ja traduzido para portugues, ou leu uma versao estrangeira?
Obrigada
Cumprimentos
Raquel
raquel fernandes a 13 de Maio de 2009 às 12:19

Em torno de livros e escritos. À volta de histórias e estórias...
Na Prateleira...
Shelfari: Book reviews on your book blog
Estou a ler...

Steven Saylor, Empire

pesquisar neste blog
 
links