Terça-feira, 20 de Julho de 2010

 

A minha amiga M.T. disse-me que estava a ler este livro. Lembrei-me que eu já o tinha lido há bastante tempo, mas que nunca aqui disse nada sobre ele. Pois cá deixo uma breve impressão sobre uma pintura em palavras que muitas vezes me transportou ao estúdio onde uma rapariga (in)comum ia fazendo o seu ritual de passagem à idade adulta (talvez sem se dar conta)...

 

Sempre que vejo o quadro do Vermeer ponho-me a pensar: “Quem foi essa rapariga que parece sorrir-me, envolta num complicado toucado azul, com uma pérola como único adorno?” Encontro sempre a mesma resposta: “É um mistério”. Um mistério que Tracy Chevalier tomou como ponto de partida para este belo romance.

A Rapariga do Brinco de Pérola é a história de um fascínio ou de como surge um sentimento que se move entre a admiração e o amor. A luz nos olhos de Griet, a empregada convertida em musa, encerra o mistério mais profundo no processo de criação de uma obra de arte. Com a mestria que lhe é habitual, e num retrato vívido, a autora evoca a vida quotidiana do colorido século XVII holandês, neste romance sobre o despertar para a vida e para a arte. A sua narração é tão realista que nos leva a acreditar que as coisas se passaram mesmo assim. No meu caso, dei por mim a cheirar os aromas da roupa a lavar, da carne no mercado e das tintas... É, deveras, uma narração fresca, com uma prosa elegante que evoca contemplação, um ritmo lento e cumulativo, um drama emocional...

Trata-se de um livro escrito com o mesmo extremo cuidado que Griet demonstra quando limpa o estúdio do mestre seu amo.

Uma boa leitura a fazer em tempo de férias!



publicado por I.M. às 12:39
E, já agora, ver o filme. Em DVD, por exemplo, que é o que fizemos cá em casa. O filme não desmerece do livro.

Bjnhs
J. Moedas Duarte a 20 de Julho de 2010 às 13:26

Olha, olha!!!!! O brinco de pérola...
Mais uma maravilha da TChevalier!!!! Dá para ler e reler e reler...
Quanto ao filme até se vê, ao contrário de alguns que ficam completamente ao invés da obra escrita,e comparando com o livro são duas visões distintas...
Vale a pena ver o filme! Esquecendo momentaneamente o livro. E reler o livro, tentando não recordar as imagens do filme!
avelaneiraflorida a 20 de Julho de 2010 às 16:43

Ainda não acabei de o ler. Estou-me a deliciar com os vários brancos, com os azuis .... Lavar as tintas em água ...
Eu, que tenho muita dificuldade em fazer as coisas devagar, fico a imaginar como é possível (se é que havia na realidade alguma criada a limpar) limpar o pó com aquela cautela, aquela minúcia. Oh pessoal, se fosse eu a limpar, todos os dias o pintor tinha de recomeçar o quadro. Aquele pano e as suas dobras ... Fui comprar o livro da Taschen sobre o Vermeer para ver as dobras e fiquei maravilhada.
MT a 24 de Julho de 2010 às 13:13

Nome: Maíra Barbosa

E-mail: mairabarbosa43@yahoo.com.br

Cidade: leme do prado

Estado: MG

Mensagem: Tenho 18 anos, sou estudante de Ciências Econômicas, ganhei a metade da bolsa pelo PROUNI, sou apaixonada por ciência, economia, literatura, informação e tecnologia. Eu gostaria de pedir que me enviassem títulos concedidos como cortesia, gosto muito de ler, leio todos os gêneros e ficaria muito agradecida se me ajudarem. Meu endereço: Nome: Maíra Barbosa, endereço Rua Rafael de Souza, s/n, Acauã, Leme do Prado-MG Cep 39655-000.

Obrigada!
maira a 3 de Agosto de 2010 às 00:14

Eu gostei muito deste livro. Gosto da forma como a autora retrata a sociedade holandesa de setecentos, com os seus contrastes: protestantes e cristão, ricos e pobres. Está tudo tão definido, todos têm os seus lugares…não se esperava que uma criada pudesse por isso em causa. O método usado por Griet para limpar o atelier é sublime, assim como a sua sensibilidade para a arte (“porque não hás-de limpar os vidros? Por causa da luz senhora..”). As próprias descrições são verdadeiros quadros, se bem que aquelas partes do talho me arrepiam…De facto o quadro permanece envolto em mistério. Quem é que pintaria uma criada? Mas que senhora se deixaria pintar com a cabeça coberta? A única coisa que não gostei foi do final…

Cumps :)
Sara a 4 de Agosto de 2010 às 20:09

Olá, "dei de caras" com o seu blog hoje mesmo e, não pude deixar de comentar o grande trabalho e desempenho que tem feito.
Tem livros aqui "assinalados" que há já algum tempo tenho estado para ler e não tinha referências (de confiança) para os adquirir.
Sou uma devoradora de livros, adoro ler. Aliás, já li mais quando estava na faculdade, mas a disponibilidade era outra.
Gostava de trocar ideias sobre literatura e por isso adicionei o seu blog ao meu ( que é muito novo nestas adanças). Será muito bem vindo/a a comentar os meus posts e por favor, continue a postar e a deixar as suas percepções sobre o que existe nas livrarias.

Obrigada
Ana
luzesletrasimagem a 18 de Agosto de 2010 às 12:55

Em torno de livros e escritos. À volta de histórias e estórias...
Na Prateleira...
Shelfari: Book reviews on your book blog
Estou a ler...

Steven Saylor, Empire

pesquisar neste blog
 
links