Terça-feira, 17 de Novembro de 2009

Este foi o romance que mais vendeu no Japão. É um facto. Mas não foi por isso que o li. Li-o porque a aparente simplicidade do livro me cativou... E porque, de repente, me revi naquele amor...

 

Com uma história que bem poderíamos classificar como comum e até a carecer de imaginação, este é um livro delicado e uma imensa lição de amor. É  um romance desses cujas páginas e palavras se devem saborear no mais apetecível silêncio, deixando-nos levar por um ritmo que nos acalma e nos transporta para uma cultura bem diferente da nossa. No entanto, o tema que o domina é universal e não conhece fronteiras: o amor. O amor eterno, diria. Aquele que transcende a idade ou a cultura... Esse amor que não se procura, que não se encontra por casualidade. O verdadeiro amor, o que nos encontra a nós, o que surge de um olhar...

Na sua aparente simplicidade, o texto esconde uma complexa "maquinaria" literária, onde todas as palavras e todas as histórias - mesmo as mais tolas - têm uma finalidade, num complexo e perfeito mecanismo de relojoaria narrativa. Até a natureza e o ambiente funcionam como personagem.

De facto, com uma linguagem simples e próxima de nós, leitores, numa escrita consistentemente bela, o autor empresta beleza a pensamentos complicados e duros. A nostalgia invade-nos, é uma verdade. Mas com um doce sorriso nos lábios...

Fiquei tão absorvida pelas personagens e pela filosofia que delas se desprende que terminei o livro sem chorar. Nem fazia falta...

A magia dos livros resisde nisto mesmo: em se perceber o seu conteúdo de diferentes maneiras...



publicado por I.M. às 20:08
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Em torno de livros e escritos. À volta de histórias e estórias...
pesquisar neste blog
 
links